5 de dez de 2011

REFLEXÕES DE FIM DE TEMPORADA


Cavalheiros: atendendo a pedido, permito-me incomodá-los com três ou quatro reflexões de final de temporada:

(1) Ao contrário do que diz dona Patrícia, 2011 foi um ano ruim, porque o seu Flamengo abdicou de sua obrigação natural de vencer. Ganhou o carioquinha, é certo, mas o carioquinha não vale nada desde o dia 28 de maio de 2001, quando cumprimos a obrigação histórica de colocar o Vasco, de uma vez por todas, em seu devido lugar de coadjuvante.

Como o carioquinha há muito não é parâmetro para nada, feitas todas as contas, é negativo o saldo de Luxemburgo em sua terceira passagem malograda pelo clube (ou quarta, se considerarmos o período em que foi um lateral-esquerdo sofrível). Salvou-se aos peidos do rebaixamento em 2010 -- muito mais pelos resultados alheios do que pelos próprios --, mas em 2011 conseguiu a proeza de ser eliminado da Copa do Brasil por um time que termina o ano rebaixado com justiça, mais o grande feito de perder o Brasileiro mais fácil de todos os tempos. Aos que discordarão de minha última afirmação, repetindo as bobagens que escutam dos palpiteiros da Globo, lanço o seguinte desafio: quem aqui se lembrará de um jogador ou de uma jogada desse Curíntia medíocre daqui a dez anos?

(2) Porque o Flamenguinho de Patrícia e Luxemburgo não cumpriu sua missão doutrinadora, chegamos ao fim do ano forçados a escolher entre o pior de dois males, e não estou certo de que tenhamos feito a escolha certa. Recapitulo: fizemos a escolha certa porque não há de chegar o dia em que vagabundo vestido de Vasco, ou de qualquer outro trapo imundo, levantará um troféu nacional minutos depois de ganhar do Flamengo. E fizemos a escolha certa porque dela dependia estar na Libertadores, e aí contribuir mais uma vez para frustrar os planos da canalha incolor sem passaporte (lembrai-vos do Pacaembazo de 5 de maio de 2010). Mas testemunhar a alegria de pústulas do quilate de um Andrés Sánchez, um Ronaldo (com 130 quilos de gostos reprováveis), um “craque” Neto, para mim é quase tão ruim quanto ver a felicidade desses otários cujo sofrimento não pode parar.

(3) Dizer o quê desses otários? Houve tempo em que rangiam os dentes, esperneavam e se desfaziam em singulares ataques de pelanca a cada vice conquistado. Ontem bateram palminhas. Foram vice-campeões, terminaram na posição mais aviltante entre a segunda e a 16ª, e gritaram “é campeão”. Se dermos corda, acabam bordando mais uma estrelinha em sua camisa sem cores nem glórias.

(4) Luxemburgo passou o ano inteiro repetindo o discurso medíocre de que “a prioridade é a Libertadores”. O mínimo que se pode esperar dele, agora, é que aja de modo conseqüente. Que não me venha escalar titulares para as peladas sonolentas do carioquinha, sobretudo se forem às vésperas de compromissos pela Libertadores (como, aliás, fazia o perdedor Joel Santana, aquele do América do México). Podia era começar a temporada mandando os titulares todos aclimatarem-se no topo dos Andes, uns quinze dias antes do jogo contra o Potosí. Que deixe os juvenis jogarem contra Bacaxá, Entrerriense, Goytacaz ou Botafogo.

(5) Ia parar por aqui, mas não resisto. E u Galu? Que dizer du Galu? Os galináceos lá soltam plumas e falam em marmelada, como se alguém pudesse ser tão escancarado ao arquitetar uma armação em conluio com o maior rival. O que efetivamente aconteceu parece ter sido muito mais simples: a “massa” atleticana tratou como decisão o jogo em que podiam rebaixar o Cruzeiro. Aí não tem remédio: sendo decisão, u Galu indefectivelmente se fode de preto e branco.