25 de ago de 2003

CALAZANS WATCH

Fernando Calazans (foto): "O São Paulo -- esse São Paulo tão escasso de talento, tão escasso de criatividade no meio de campo -- só pode estar em terceiro num campeonato que, tecnicamente, não passa de mediano".

A passagem acima confirma a minha impressão de que o Sr. Calazans julga os times de fora do Rio tão-somente pelo que fazem contra os times do Rio. Sim, porque, ainda que este São Paulo não seja exatamente o São Paulo do Telê, dizer uma estultice dessas é coisa de quem ignora que, há alguns dias, este mesmo São Paulo tinha, a envergar suas cores, um tal Kaká (vendido) e um tal Ricardinho (machucado). E o Júlio Batista ("diga o que quiser, mas titular na Copa Ouro", lembra o amigo Juan Saavedra).

O Sr. Calazans faz julgamentos definitivos, inapeláveis pelo que viu em um único jogo. Tem, se tanto, uma vaga noção do que se passa no futebol de São Paulo e de Minas. Da Europa, vê os gols da rodada no domingo à noite e vem escrever no dia seguinte que "o Madrid anda jogando um futebol esfuziante".

Como se não bastasse a ignorância e o desconhecimento demonstrados ao longo dos anos, ainda é provinciano. De um provincianismo que ficaria bem nos jornais de São Paulo, não em páginas que já contaram com Nelson Rodrigues, Mario Filho, João Saldanha e Armando Nogueira...

4 de ago de 2003

NOME AOS BOIS

Leonardo Gaciba. É esse o nome do juiz que apitou o Flamengo x Ponte Preta de ontem, deu inacreditáveis oito minutos de acréscimo a troco de porra nenhuma e permitiu à antipática equipe da máscula metrópole interiorana empatar o jogo a inacreditáveis 52 do segundo tempo.

Leonardo Gaciba é o mesmo cretino que, ano passado, deu um cartão amarelo para o jogador Jabá, do Coritiba, porque passou o pé em cima da bola em jogo contra o Santos. Esse luminar entendeu que, com o gesto, o jogador do Coxa estava menosprezando o adversário.

Não restam dúvidas, portanto, de que é um imbecil. Talvez, ontem, só quisesse aparecer, talvez só quisesse posar de juiz rigoroso na aplicação da lei -- o que está longe de ser verdade, de vez que não teve colhões para expulsar o ponte-pretano Alan, que, como último homem, impediu a progressão de Ânderson rumo ao gol.

Ainda não é o bastante para Leonardo Gaciba fazer companhia a Giuliano Bozzano na lista de ladrões que tanto nos têm prejudicado desde que passou a faltar pulso na Gávea. Mas convém ficar de olho nesse sujeito.